Whoppers – Pequenos Gigantes GRUPO DE COMPRAS

Whoppers – Pequenos Gigantes GRUPO DE COMPRAS: Administração de grupos de pequenos investidores. Se o seu lote for muito grande, ou o valor é muito alto, não tem problema. Juntamos pessoas físicas e empresas com um único propósito. Comprar suas sobras de estoques. Formamos grupos de pequenos compradores, que juntos, tornam-se em grandes compradores. Fazemos a venda de suas sobras de estoques através do sistema de cotas. E, assim conseguimos dar a oportunidade para que todos, quer sejam médios, grandes ou pequenos compradores a chance de fazer um grande negócio. Além do benefício de pulverizar seus produtos de uma forma mais homogenia em todo o território brasileiro. Como funciona? Dividimos o valor do lote de mercadorias em pequenas cotas, onde cada um dos interessados tem a oportunidade de escolher quantas cotas deseja adquirir (1, 2, 3, 4, 5, 50, 500, 5000 cotas). Aqui, pequenos compradores, juntos, tornam-se...
Saiba mais...

O que é TRUCKLOAD?

Se você possui sobras de estoques que completa um caminhão (toco, truck ou uma carreta) com carga cheia de produtos únicos ou diversificados é quer vendê-los rapidamente, numa única operação. Então faça desse serviço a sua melhor opção e deixe o resto com nossa equipe. O comprador compra, paga e recebe tudo em sua porta, sem custo de frete e taxas adicionais. Podemos vender seu lote de duas formas: Através de venda direta ou pelo sistema de melhor oferta “BestOffer“. No sistema “BestOffer” quem fizer a melhor proposta a partir de um mínimo pré-estipulado leva tudo do jeito que está e ponto final. A partir dai o seu problema deixa de existir como um passe de mágica. As vantagens desse serviço são inúmeras, mas vale apenas destacar algumas: Você faz dinheiro rápido, abre espaço para outras mercadorias em seu depósito, elimina custos de armazenagem de produtos sem giro, além de criar melhores resultados no balanço. As vantagens para o comprador: Na compra de caminhões com carga fechada, você obter os seguintes benefícios: Um grande volume de itens variados a preços muito abaixo do mercado; Uma grande variedade de itens; Redução de custos de envio; Carga selada para segurança máxima; Entrega mais rápida através de envio direto até seu depósito; E o melhor, o preço, que geralmente, em média, será mais baixo em torno de 50% a 70% abaixo do praticado no varejo regular; Além disso, você se beneficia de ZERO de taxas de frete e impostos! Cases e Projetos … Um grossista especializado em acessórios para automóveis dispunha, depois de realizar um inventário um lote bastante grande e variado de artigos e acessórios para automóveis sem movimento. O lote completo, composto por cerca de 250 paletes, foi transportado para o nosso armazém, onde organizamos à venda entre os compradores interessados. Ajudamos os nossos clientes através da nossa Grande Rede de...
Saiba mais...

Corporate Barter no Brasil

O que é Corporate Barter ou Corporate Trade? Como se comporta a operação de Barter no Brasil? O fato é que nem sempre o que funciona em outros países, funciona bem no Brasil. A operação de Permutas Corporativas (Corporate Barter) é uma dessas coisas, ou, pode até funcionar, mas não por completo, principalmente se você não conhecer plenamente os pós e contras dessa operação. O Corporate Barter (operação financeira estruturada) nada mais é do que a antiga e conhecidíssima operação de Permuta (Scambo). É a mais antiga e a primeira forma de negócios que surgiu no mundo. Hoje essas operações são feitas com algumas adaptações, mas nem sempre vantajosa aos usuários desse negócio. A principio as empresas trocam seus “Produtos Inativos” por “Créditos Financeiros” o que acreditam estar fazendo um ótimo negócio mas, que, se não forem devidamente analisadas não trarão qualquer vantagem, mas sim, muitas dores de cabeça. Exemplo padrão de uma operação de Corporate Barter: Uma empresa possui R$1.000.000, em estoques sem giro, ou que estejam à vencer. A empresa de Barter compra esse estoque pagando por ele R$1.000.000, só que paga através deuma moeda própria, “Trade Credits” (Créditos Financeiros) que poderão ser usados para pagamento de “parte”  das compras de bens e serviços. Mas atente-se, apenas parte, nunca 100% do valor a ser pago pelo serviço. Imaginemos que você esteja comprando R$100.000, em serviços gráficos e que o “Cash Blend” (a composição de dinheiro e créditos) dessa negociação seja 90% em dinheiro e 10% de Trade Credits. Valor dos Créditos gerados na negociação: R$1.000.000, Valor a ser gasto em Serviços Gráficos dentro de um período: R$100.000, Composição de Pagamento em Dinheiro e Créditos: R$90.000, em dinheiro (90%) R$10.000, em Trade Credits (10%) Em tese para se conseguir resgatar, recuperar o estoque vendido por R$1.000.000, você precisaria de aproximadamente R$10.000.000, (dez milhões de reais) em serviços gráficos para recuperar todo esse valor, isso se o Cash Blend se mantiver no patamar de 10%. Mas, o fato é que as empresas de Barter via-de-regra nunca garantem um Cash Blend fixado e nem podem, precisam analisar caso-a-caso, a cada compra a ser feita, o que muitas vezes acaba engessando o departamento de compras das companhias. Coisa rara, mas se sua empresa gasta R$100.000, de impressos mês demoraria em torno de 100 meses (8 anos) para conseguir recuperar todo o crédito gerado. Um outro problema é que nos Estados Unidos...
Saiba mais...

Definições e Conceitos de Supply Chain Management

Definições e Conceitos de Supply Chain Management (definição e conceito de Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos) Por: Aline Regina Santos Este documento foi desenvolvido tendo por base três papers relacionados ao conceito e aplicação da SCM. O primeiro a ser apresentado traz o conceito de SCM próximo ao de logística. O segundo, enfatiza o escopo mais amplo da SCM, com destaque para o uso da tecnologia da informação; e o terceiro traz a aplicação de sistemas de SCM. Para complementar o assunto, são resgatadas outras definições sobre SCM, tendo por base diversos autores. Ao final, são tecidos comentários sobre o conceito de SCM e suas características. Antes de comentar sobre os papers que nortearam o desenvolvimento deste trabalho, cabe explicar rapidamente do que se trata a cadeia de suprimentos. Todo o produto ou bem físico que adquirimos chega em nossas mãos pela existência de uma cadeia de suprimentos, que inicia no fornecedor inicial de matérias-primas e termina em nossas mãos, consumidores finais. Por exemplo, para comprar um suco de laranja em caixa no supermercado, é necessário que se tenha plantado laranjas, que estas tenham sido coletas e depois processadas na forma de suco, que o suco tenha sido embalado, transportado e finalmente distribuído nas redes de varejo (mercadinhos, supermercados) onde encontramos o produto. Esta seqüência de ações é conhecida por cadeia de suprimentos e envolve diversos participantes: desde a fábrica que processa o suco de laranja, até o produtor agrícola, a empresa que realiza o transporte, armazenagem, as redes atacadistas e varejistas e demais participantes. Para Ganeshan e Harrisson (1995) o gerenciamento da cadeia de suprimentos (SCM) trata-se de uma rede de facilidades e opções de distribuição, que tem por objetivo executar funções de compra de materiais, transformar matérias-primas em produtos acabados e semi-acabados, e distribuir estes produtos aos consumidores. Neste sentido, a SCM tem como principais decisões àquelas relacionadas à localização das fábricas, das unidades produtivas, dos centros de distribuição e armazéns, ou seja, da localização da sua rede. Além, decisões de produção, entre elas o que produzir, quais fábricas produzir, ligação dos fornecedores às fábricas e das fábricas aos CDs, também estão no escopo da SCM. Decisões de estoque (gerenciamento, armazéns, estratégia de estoques) e de transporte (modais, trade-offs) também figuram entre aquelas relacionadas a SCM. Com abordagem diferente, Metz (1998) acredita ser a SCM um processo orientado, com abordagem integrada, para compra, produção e entrega de...
Saiba mais...

O que é Supply Chain ?

O Supply Chain Management (SCM) é a gestão da cadeia de fornecimento. Segundo alguns estudiosos, a competição no mercado global não ocorre entre empresas, mas entre cadeias de fornecimento. A gestão da logística e do fluxo de informações em toda a cadeia permite aos executivos avaliar, pontos fortes, e pontos fracos na sua cadeia de fornecimento, auxiliando a tomada de decisões que resultam na redução de custos, aumento da qualidade, entre outros, aumentando a competitividade do produto e/ou criando valor agregado e diferenciais em relação a concorrência. Os resultados que se esperam da utilização de sistemas que automatizem o SCM são: Reduzir custos; Aumentar a eficiência; Ampliar os lucros; Melhorar os tempos de ciclos da cadeia de fornecimento; Melhorar o desempenho nos relacionamentos com clientes e fornecedores; Desenvolver serviços de valor acrescentado que dão a uma empresa uma vantagem competitiva; Obter o produto certo, no lugar certo, na quantidade certa e com o menor custo; Manter o menor estoque possível. Esses resultados são obtidos à medida que a gestão da cadeia de fornecimento simplificar e acelerar as operações que estão relacionadas com a forma como os pedidos do cliente são processados pelo sistema, até serem atendidos, e também, com a forma das matérias-primas serem adquiridas, e entregues, pelos processos de fabricação e distribuição. Concluindo, é fundamental que as empresas se preocupem com a integração desses conjuntos de soluções de gestão, automatizadas através da tecnologia de informação (Simchi-Levi, 2003), pois só assim será possível obter maior vantagem estratégica e competitiva. Um bom gerenciamento da cadeia de suprimentos, começa na avaliação dos gastos, no modelo atual de compras, na avaliação dos índices financeiros aplicados na renovação dos contratos por fornecedores e etc, não basta colocar um software de administração da cadeia, se não alterar o modelo de gerenciamento. A idéia do Supply Chain, é reduzir as atividades táticas, ampliando a ação estratégica. A área de suprimentos hoje, diferentemente de ontem, é responsável pelos resultados da empresa, a sinergia – ação dos órgãos simultaneamente, desenvolvida entre os departamentos fortalece a área que hoje, não só acompanha a aplicação dos contratos, mas como é responsável por todo o período de negociação. Os fornecedores nesse momento, passam a ser parceiros no desenvolvimento de produtos, a quantidade de fornecedores é reduzida e o controle dos KPI´s acordados passam a ser melhor administrados, vis a vis, a possibilidade de relatórios emitidos pela ferramenta utilizada, com equalizações...
Saiba mais...

Corporate Barter

What is Corporate Barter? While most people know what barter in its simplest sense is – the exchange of one product or service for some other product or service – not as many are familiar with corporate barter. Barter itself has probably been around since the dawn of mankind – a Cro-Magnon good at cultivating grain who traded part of his crop for a basket constructed by an expert early weaver. Or, Peter Minuit exchanging $24 worth of beads and trinkets in 1626 to purchase what is now Manhattan. Retail barter exchanges today allow small businesses and individuals to trade products and services with each other, with the exchange receiving a transaction fee for acting as a clearinghouse. By comparison, corporate barter transactions can involve millions of dollars worth of goods or services, and are primarily conducted on behalf of large companies—in many cases, publicly traded companies. The corporate barter company helps companies use their under- or non-performing assets (obsolete or excess inventory, under-utilized plant capacity, unwanted real estate, etc.) to finance all or part of the cost of products or services (e.g., advertising) they need. For example, a company that wants to sell its excess inventory … whether it’s tuna fish or lipstick … relies on the corporate barter company to purchase the inventory with trade credits and subsequently fulfill the credits by providing needed products and services. A corporate barter company buys and sells for its own account, acting as a principal in the barter transaction, taking title to the goods and being obligated to fulfill the trade credits it issues. One of the most famous international barter transactions was PepsiCo’s marketing of Pepsi-Cola in the U.S.S.R. in exchange for Russian vodka, which ultimately became one of the best selling brands in the U.S. under the name Stolichnaya. Saiba mais sobre Corporate Barter, solicite um contato sem...
Saiba mais...

Corporate Trade

Corporate Trade Trading companies are businesses working with different kinds of products which are sold for consumer, business or government purposes. Trading companies buy a specialized range of products, maintain a stock or a shop, and deliver products to customers. Different kinds of practical conditions make for many kinds of business. Usually two kinds of businesses are defined in trading. Importers or wholesalers maintain a stock and deliver products to shops or large end customers. They work in a large geographical area, while their customers, the shops, work in smaller areas and often in just a small neighbourhood. When talking about “trading companies”, today we refer mainly to global B2B traders, highly specialized in one goods category and with a strong logistic organization. Changes in practical conditions such as faster distribution, computing and modern marketing have led to changes in their business models. The Winding-up and Restructuring Act, an act of the Parliament of Canada, uses the following definition” “trading company” means any company, except a railway or telegraph company, carrying on business similar to that carried on by apothecaries, auctioneers, bankers, brokers, brickmakers, builders, carpenters, carriers, cattle or sheep salesmen, coach proprietors, dyers, fullers, keepers of inns, taverns, hotels, saloons or coffee houses, lime burners, livery stable keepers, market gardeners, millers, miners, packers, printers, quarrymen, sharebrokers, ship-owners, shipwrights, stockbrokers, stock-jobbers, victuallers, warehousemen, wharfingers, persons using the trade of merchandise by way of bargaining, exchange, bartering, commission, consignment or otherwise, in gross or by retail, or by persons who, either for themselves, or as agents or factors for others, seek their living by buying and selling or buying and letting for hire goods or commodities, or by the manufacture, workmanship or the conversion of goods or commodities or trees. Soluções especiais para sobras de estoques e ativos de baixo giro. Cases e Projetos … Inspeção e Compra de Excesso de Estoques ::. Se sua empresa não quer despender tempo com Excesso de Estoques, a nossa opção de compra é a solução perfeita. Inventariamos os seus bens e definimos o seu valor de modo preciso. Todo o processo, desde a inspeção até ao transporte serão tratados por nós, para que você possa se concentrar no seu verdadeiro trabalho: a gestão do seu negócio. [php snippet=1]    Corporate Trade | Liquidation – Excesso Sobras de Estoques Salvados e Logística Reversa.   ...
Saiba mais...

Pontas de Estoques

Pontas de Estoques: O sentido original em inglês é de loja cujo proprietário é a própria indústria que comercializa diretamente seus produtos; mantêm-se as acepções originais de distribuidor ou loja de varejo, mas, além disso, hoje, nos Estados Unidos, são centros comerciais enormes porém simples, cujas lojas, em geral, também vendem diretamente do produtor, podendo cobrar preços mais baixos; a palavra é definida de forma divergente nos dois únicos dicionários que a registram: enquanto Dicionário Houaiss da língua portuguesa (2001) dá definição similar à precedente, Dicionário Aurélio Século XXI (1999) diz que é uma “loja de varejo que trabalha geralmente com ponta de estoque”; excetuado o detalhe “com ponta de estoque”, ambos têm razão: nesta mesma notícia, os dois conceitos são mostrados: “Quarto ‘outlet’ abre amanhã [título] (…) estarão funcionando na grande São Paulo mais três lojas de descontos (…) Ao contrário dos shoppings que oferecem grifes com preços altos, os novos centros de compras apostam em produtos mais baratos…” (Folha de São Paulo, 1994). > 10, 16 e...
Saiba mais...

Venda Consignada

Se sua empresa necessita rapidamente de espaço, armazenamos suas Sobras de Estoques em nosso armazém e cuidamos de vendê-lo através do nosso serviço de venda consignada. Fazemos com que as Suas Sobras de Estoques seja visto pela nossa rede de contatos. E coordenamos a transferência, tanto física (logística) como financeira. Venda Consignada é o procedimento onde o vendedor deixa seus produtos com nossa empresa para que vendamos o lote de mercadorias, sem a responsabilidade de ter que pagar por ele até que seja vendido. É uma ótima solução para aumentar as vendas e liberar o estoque com mercadorias sem giro, sem precisar investir muito. A nossa empresa fica com o lote mercadorias em nosso depósito para venda consignada, em troca de uma comissão, não tendo a responsabilidade de ter que comprá-lo e o vendedor continua sendo dono do produto. Cases e Projetos … Inspeção e Compra de Excesso de Estoques ::. Se sua empresa não quer despender tempo com Excesso de Estoques, a nossa opção de compra é a solução perfeita. Inventariamos os seus bens e definimos o seu valor de modo preciso. Todo o processo, desde a inspeção até ao transporte serão tratados por nós, para que você possa se concentrar no seu verdadeiro trabalho: a gestão do seu...
Saiba mais...

Inspeção e Compra de Excesso de Estoques

Se sua empresa não quer despender tempo com Excesso de Estoques, a nossa opção de compra é a solução perfeita. Inventariamos os seus bens e definimos o seu valor de modo preciso. Todo o processo, desde a inspeção até ao transporte serão tratados por nós, para que você possa se concentrar no seu verdadeiro trabalho: a gestão do seu negócio. Cases e Projetos … Uma empresa de venda de recipientes em material sintético, muito conhecida, modificou o seu sistema de produção. Um dos nossos contatos no Uruguai estava interessado nessa linhas de produção de materiais sintéticos. Nós nos encarregamos da transação e do transporte. Ajudamos os nossos clientes através da nossa Grande Rede de...
Saiba mais...

Mediação de Negócios

Se sua empresa prefere manter o controle sobre as vendas das Sobras de Estoques, poderemos atuar como mediadores. Estaremos atentamente à escuta das suas necessidades e colocaremos você em contato direto com os compradores e acompanharemos durante as negociações, certificando-nos de que o processo de venda decorrerá rapidamente. Cases e Projetos … Um fabricante de pneus teve, como consequência de uma modificação de modelo, 30.000 pneus em estoque de um modelo ultrapassado. Através dos nossos contatos no México, conseguimos encontrar uma parte interessada para estes pneus. Ajudamos os nossos clientes através da nossa Grande Rede de...
Saiba mais...

Aumenta o número de setores com excesso de estoque no Brasil.

Conheça nossas Soluções para Excesso de Estoques: O número de setores que se consideram com estoques em excesso passou de quatro em abril para seis em maio, mostra a Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação, divulgada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Dos 14 setores analisados, os que se avaliam como superestocados são os minerais não metálicos, mecânico, material de transporte, têxtil, mobiliário e vestuário e calçados. Em abril, material de transporte e mobiliário não faziam parte dessa lista. Dos 14 setores analisados, os que se avaliam como superestocados são os minerais não metálicos, mecânico, material de transporte, têxtil, mobiliário e vestuário e calçados. A pesquisa considera um setor está com excesso de estoque quando o saldo líquido entre o número de empresas que se dizem excessivamente estocadas e o total das que afirmam trabalhar com estoques insuficientes é superior ou igual a 10 pontos porcentuais. De abril para maio, sete setores registraram ainda aumento do número de empresas que julgam ter estoques em excesso: minerais não metálicos; mecânico; material elétrico e de comunicações; material de transporte; química; mobiliário; e celulose, papel e papelão. “O estoque em alta, além da baixa perspectiva de aumento da demanda global, mostra que a indústria de transformação não terá uma recuperação como a esperada para este ano”, afirmou o coordenador da sondagem e superintendente adjunto de Ciclos Econômicos do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Aloisio Campelo. “A indústria deve começar o segundo semestre ainda com desempenho ruim.” O indicador geral de produção prevista, ressaltou Campelo, caiu em maio pela segunda vez consecutiva. “Não há nenhuma sinalização de retomada da produção da indústria em junho e julho”, afirmou. “O estoque ainda deve pesar.” Campelo observou que a sondagem, realizada em maio, ainda não captou os reflexos das medidas de estímulo ao consumo anunciadas pelo governo federal nem os efeitos da alta do câmbio. “É preciso esperar o resultado de junho para poder avaliar esses efeitos com precisão”, afirmou O coordenador avalia que o excesso de estoques em alguns setores não chega a ser um problema. É o caso, por exemplo, de minerais não metálicos, mobiliário e de vestuário e calçados. “Como a perspectiva de produção para os próximos três meses nesses setores atinge níveis acima da média dos últimos 60 meses, isso indica uma situação passageira”, disse. No caso de material de transporte, que inclui a indústria automobilística, a situação...
Saiba mais...

Excesso de Inventário

Excesso de inventário existe quando o estoque de uma empresa fica com mais estoque do que as demandas do mercado ou quando a demanda de mercado cai dramaticamente após o inventário. Ter excesso de estoque é geralmente considerado como ruim para os negócios por causa do que isso significa para o giro de estoques e os custos associados com a gestão. Problemas de espaço O problema de ter excesso de estoque é que esse estoque ocupa espaço e impede de oferecer novos produtos aos clientes. Volume de negócios cai e perde espaço nas prateleira é uma medida comum usada pelos varejistas para determinar a eficiência que eles vendem produtos que são dadas espaço na área de vendas. Quando o excesso de inventário demora de um produto de estilo ou mais de idade, restringe melhores oportunidades de produtos. Os lucros reduzidos Excesso de estoque naturalmente leva a margens de lucro reduzidas em muitos casos. As empresas geralmente acabam colocando itens em excesso de apuramento para induzir compradores a comprá-los a custos mais baixos. Algumas empresas ainda acabam vendendo inventário extra a preços abaixo do que eles pagaram por eles. Isto reduz significativamente a margem de lucro, que é a diferença entre o que pagam por produtos e que você vende para eles. Da mesma forma, vender a preços mais baixos significa que não está trazendo dinheiro tanto quanto você seria a venda de produtos a preços normais. Os custos de armazenamento Outra grande preocupação de levar a excesso de estoque são os custos de muitos envolvidos. Muitas empresas têm espaço extra de armazenamento, onde o excesso de estoque é mantido até produto no chão limpa para fora. Mais espaço usado para armazenamento significa menos espaço para a venda. Além disso, você tem que pagar por serviços públicos e outros custos relacionados com o armazenamento. Os funcionários que se deslocam de inventário dentro e fora de armazenamento e organizá-lo também são pagos, o que significa que você paga de trabalho para a gestão de estoque em excesso. Desperdiçar Relacionado com os custos da gestão de estoques é um cenário de pior caso em que você acaba jogando fora o excesso de inventário que perece ou expirar. Se a empresa desenvolve produtos frescos, por exemplo, ele pode ter que jogar fora o excesso de quando vai mal. Produtos como alimentos pão medicina, e outros têm data de validade e deve ser lançado...
Saiba mais...

Leilão Online

O leilão ou hasta é uma modalidade de venda, muito difundida em órgãos públicos e empresas privadas, do qual administradores e servidores necessitam solucionar de maneira simples e rápida a venda de bens. Conheça nosso Leilão Online! O leilão funciona da seguinte forma,o leiloeiro irá ler as condições de venda descritas no catálogo, as quais deverão ser acompanhadas por todos os compradores. O leiloeiro é um agente público, pertencente à categoria ficação doutrinária do Direito Administrativo Brasileiro. Em seguida os lotes em leilão serão anunciados um a um. Assim que o lote de interesse da pessoa for anunciado, ela deverá levantar a mão para dar um lance (se necessário falando ao leiloeiro o valor do seu lance). Lote é um conjunto formado de um ou mais bens que serão leiloados. No caso de leilão de veículos um lote pode ser formado por apenas um automóvel, enquanto em um leilão de materiais um lote pode ser constituído por um conjunto de motores e peças diversas. Caso existam mais pessoas interessadas no mesmo lote inicia-se uma disputa para decidir quem dará o maior lance começando com o lance minimo. É basicamente uma disputa de “quem dá mais” (NBS). Lance mínimo é o menor preço para que um determinado lote seja vendido, se o lance mínimo não for atingido será aceito um lance condicional, “lance condicional” é o termo utilizado quando o maior lance ofertado por um bem leiloado não atinge o valor mínimo de venda exigido por seu vendedor (arrematante). A teoria dos leilões é um ramo da Teoria dos jogos que estuda o comportamento dos participantes de leilões, bem como as diversas possibilidades de formatação destes mecanismos. Leilão é um mecanismo econômico de negociação definido por uma série de regras para especificar a forma de determinação do vencedor e quanto este deve pagar. Uma característica marcante para os leilões é a presença de assimetria de informações, que faz com que a caracterização deste mecanismo se torne necessária, uma vez que diferentes tipos de leilões podem levar a resultados divergentes. Leilões podem ser definidos quanto à sua natureza (oferta, demanda ou duplo), forma como os lances são oferecidos (aberto ou fechado) e método de determinação do preço de fechamento (primeiro ou segundo preço). Além disso, pode ou não possuir preço de reserva, que é o menor lance válido para participação no leilão. O preço de reserva é usado apenas em casos...
Saiba mais...

Verificação e Qualificação de Lotes de Estoques

Mais de 85% dos compradores de lotes de estoques preferem comprar os lotes que foram verificados e qualificados pela Liquidation. Quando você encontrar o selo Verified em um anúncio é porque o lote foi Verificado e Qualificado pela Liquidation, basta clicar na imagem para ver sua certificação (laudo de inspeção). É a Liquidation olhando o lote em detalhes para você. VERIFIED é um processo de verificação local do lote lançado pela Liquidation disponível para nossos clientes. Todo o processo de verificação do lote e do vendedor é feito (in loco) por uma agência de verificação terceirizada ou pelos nossos funcionários qualificados. Além da verificação do lote, verificamos também a documentação do vendedor, as condições de armazenagem das mercadorias, confirmamos o status legal do fornecedor, licenças comerciais, certificações, representante legal, licença do negócio, tipo do negócio, localização da empresa, chefe do departamento responsável pela venda do lote, conta bancária, localização da fábrica, dentre outras informações relevantes. Com base essas informações Verificadas, Avaliamos e Qualificamos o vendedor e o lote que está à venda. Peça mais informações sobre esse serviço. Cases e Projetos … Um grande fabricante de balas e pirulitos se deparou com um volume enorme de seus produtos com o prazo de validade muito curta, 3 meses para vencer. O cliente não queria que vendêssemos em sua rede de distribuição (supermercados, atacadistas, bares, padarias, etc). A Liquidation conseguiu vender em prazo recorde todo o estoque, para que fossem consumidos rapidamente, antes de vencer, vendemos através do nossos grupos de compras Whoppers – Grupo de Pequenos Compradores que se unem sob administração da Liquidation para comprar grandes lotes de estoques. Esse estoque foi distribuído para serem vendidos aos vendedores de faróis de trânsito das principais cidades do Brasil. Ajudamos os nossos clientes através da nossa Grande Rede de...
Saiba mais...


Liquidation - Sobras Salvados Refurbished Pontas de Estoques e Logística Reversa Sobras de Estoques, Ativos de Baixo Giro, Salvados, Refurbished, Excesso de Estoque, Pontas de Estoques, Outlet, Corporate Barter e Logística Reversa., Se sua empresa necessita rapidamente de espaço, armazenamos suas Sobras de Estoques em nosso armazém e cuidamos de vendê-lo através do serviços de venda vend excesso de estoque, sobras de estoques, ativos de baixo giro, salvados, pontas de estoques, outlet, logística reversa, corporate barter, refurbished, atacado, atacadista, comprar, vender, venda consignada